Carta ao Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Sr. João Gomes Cravinho

Надрукувати
Категорія: SOS Ukrania pt
Створено: 01 вересня 2022 Дата публікації Перегляди: 1802

imageMinistro dos Negócios Estrangeiros de Portugal,
Sr. João Gomes Cravinho

Exmº Sr. Ministro dos Negócios Estrangeiros,

Pela presente missiva pretendemos demonstrar a nossa gratidão por todo o apoio que Portugal tem dado à Ucrânia e ao povo ucraniano desde o início da invasão Russa em 2014.
Nesta nova fase da guerra o governo português esteve sempre do lado do povo Ucraniano, tanto na Ucrânia como no acolhimento aos refugiados Ucranianos.
Na última sua última visita a Kiev, no dia de independência da Ucrânia, V. Excª mostrou a sua coragem e solidariedade com o povo Ucraniano, quando as forças russas ameaçavam com novos atos de agressão.
Não obstante o exposto a diáspora Ucraniana que vive em Portugal recebe constantemente pedidos dos familiares dos prisioneiros de Azovstal para lembrar à comunidade internacional as condições em que vivem. A Federação Russa continua a desrespeitar quaisquer acordos internacionais sobre a forma como os prisioneiros de guerra são tratados. Ninguém sabe onde eles estão, como são tratados, se estão vivos!. Último crime cometido pela Rússia em Olenivka foi o assassinato de uma maneira cruel e desumana de 50 prisioneiros ucranianos. O que mostra que a Federação Russa não tem quaisquer intenções pacíficas nem pretende pôr fim à invasão ilegal e bárbara da Ucrânia. Aliás, “ Putin” disse que a operação de “ desnazificação” da Ucrânia continua com toda a brutalidade, extermínio dos Ucranianos e destruição da Ucrânia.
No passado dia 31 de Agosto, V.Excª decidiu apoiar , no quadro da União Europeia, o fim do processo de facilitação de vistos para cidadãos Russos para a União Europeia. Não obstante o objetivo de tal medida, na prespectiva de todos os nossos compatriotas na Ucrânia a mesma não impede a continuação do sofrimento, mortes, violações e vítimas da agressão Russa. Aliás, tudo o que consiste em “compromissos” por parte do Ocidente só aumenta a convição de Putin que consegue passar incólume independentemente da brutalidade dos seus atos.
Nós e os nossos compatriotas na Ucrânia perguntamos “ quantos mais Ucranianos têm de ser sacrificados e quantas cidades destruídas para que se comecem a aplicar medidas e sanções com efeitos reais.
Nos próximos dias os Russos estão a preparar-se para o seguinte ato de barbárie e violação do direito internacional : condenação pública dos soldados defensores de Mariupol e a realização de referendos-fantasma para criar novas repúblicas separatistas nos territórios Ucranianos ocupados pelas tropas russas, assim tantando violar a legítima soberania Ucraniana. Tudo isto com o apoio de cidadãos Russos que depois ainda vão poder circular ou negociar pela União Europeia em chocante contraste com o sofrimentos dos refugiados Ucranianos.
Não queremos «lamentos». Queremos proteger a vida dos cidadãos Ucranianos.
Por isso solicitamos a V. Excª , Senhor Ministro dos Negócios Estrangeiros, que seja revista a política externa de Portugal para impedir a continuação da bárbara e impiedosa agressão Russa . Somente com uma força conjunta e intransigente fará com que os russos libertem os prisioneiros e o território que ocuparam na Ucrânia.

Presidente da Associação dos ucranianos em Portugal,
Pavlo Sadokha

image

image

image